A pesquisa Cultura em SP, que ouviu quase 8 mil pessoas em 21 cidades paulistas, realizou um amplo levantamento dos hábitos culturais dos paulistas e apontou que fatores como renda e escolaridade têm grande impacto sobre esse tipo de prática no estado – sobretudo no que diz respeito a estilos musicais. Enquanto o rock faz muito mais sucesso entre as classes A e B, a música gospel é bem mais ouvida entre as classes D e E.

Estes e outros dados sobre o consumo de música e o perfil do público de shows, concertos e saraus foram coletados pelo Instituto Datafolha sob encomenda da JLeiva Cultura & Esporte, e serão apresentados em um seminário no Centro Cultural São Paulo no dia 27 de maio (mais informações abaixo)
O levantamento mostra que sertanejo, MPB, rock, gospel e samba são os cinco ritmos preferidos nos 21 municípios pesquisados. O sertanejo lidera a lista com folga (44%), e é bastante popular entre os vários grupos sociais analisados. Em relação aos outros ritmos, no entanto, o gosto musical varia muito de acordo com a condição social do entrevistado.
Rock e MPB, por exemplo, fazem muito mais sucesso entre a elite do que entre os mais pobres. Nas classes A e B, a MPB é o estilo preferido de 33% dos entrevistados e o rock, de 28%. Já nas classes D e E, os dois ritmos só são citados como preferidos por 13% e 7%, respectivamente. Com a música gospel acontece o contrário: é o ritmo preferido de 25% dos entrevistados da base da pirâmide, mas só é citado como o predileto por 13% dos que estão no polo oposto.
A escolaridade também tem grande impacto. Entre os entrevistados com ensino superior, MPB (48%) e rock (39%) lideram com folga a lista dos ritmos preferidos. No entanto, entre os que têm apenas o ensino fundamental, a preferência pelos dois ritmos cai para 16% e 8%, respectivamente. Já o impacto da escolaridade sobre a música gospel é semelhante ao da renda: entre os entrevistados com ensino superior, o ritmo é citado como o preferido por 11% dos entrevistados, ao passo que esse número sobe para 19% entre aqueles que têm apenas o ensino fundamental completo.
A pesquisa também mostra que as preferências variam de acordo com a idade. Rock, pop, rap, funk e música eletrônica são bastante populares entre jovens e adolescentes. Em compensação, a preferência por forró, gospel, samba, sertanejo e MPB cresce conforme aumenta a idade do entrevistado.
Além de mapear os gostos musicais nos 21 municípios analisados, a pesquisa também traçou um perfil do público que frequenta shows e concertos e fez uma estimativa das possibilidades de crescimento das plateias no estado. A frequência a shows já é relativamente alta – 46% dos entrevistados disseram ter ido a um espetáculo do gênero no último ano – mas ainda tem potencial de crescimento. Entre os que não foram no último ano, 26% disseram ter interesse médio ou alto pela atividade, o que indica que o público de shows no estado tem potencial para crescer cerca de 50%.
O público atual de concertos é menor – apenas 12% dos entrevistados disseram ter realizado esta atividade no último ano – mas pode até dobrar, levando em consideração que, entre quem não foi a casas de espetáculos no último ano, 25% demonstraram interesse médio ou alto pelo programa.
Os dados sobre o perfil do público que vai a shows e concertos nos 21 municípios pesquisados revela que renda e escolaridade também influenciam na frequência a essas atividades. Quem foi a espetáculos musicais no último ano tem renda mais alta, maior escolaridade e realiza mais atividades culturais do que o conjunto da amostra.
Todos esses dados, além de informações sobre o público que frequenta saraus e muitos outros números serão apresentados no seminário do dia 27 de maio, que acontece das 14h às 17h na sala Jardel Filho do Centro Cultural São Paulo, localizado na Rua Vergueiro, 1.000, no bairro do Paraíso, em São Paulo. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no endereço eletrônico http://www.jleiva.com.br/artes-musicais-form/.
A pesquisa Cultura em SP foi realizada com patrocínio do Grupo CCR, Sabesp e Oi, obtidos pelas Leis Rouanet e Proac, e apoio cultural do SESC-SP e da Secretaria de Estado da Cultura.
Os 21 municípios abrangidos pelo trabalho são: Araçatuba, Barretos, Bauru, Botucatu, Campinas, Diadema, Franca, Guarulhos, Jundiaí, Osasco, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Taubaté e Tatuí.
SEMINÁRIO CULTURA EM SP – MÚSICA
Data: 27 de maio
Local: Centro Cultural São Paulo, Rua Vergueiro, 1.000 - Paraíso - SP
Horário: 14h às 17h
Inscrição gratuita
pelo site: http://www.jleiva.com.br/artes-musicais-form/
Programação do evento:
13h30-14h – Credenciamento
14h-15h30 – Mesa 1: Cultura, educação e renda
Uso do tempo livre e prática de atividades culturais. Shows, concertos e saraus em comparação com cinema e teatro. A importância de educação e renda para o acesso a espetáculos musicais.
Debatedores:
Nelson Kunze (revista Concerto)
Lorenzo Mammi (USP)
Dante Pignatari (Centro Cultural São Paulo)
15h30-17h – Mesa 2: Perfil do frequentador de espetáculos musicais
Quem vai a shows e concertos? Qual a idade, a escolaridade, a renda o estado civil e o número de filhos desse público? Qual o gosto musical dos paulistas?
Debatedores:
Jotabe Medeiros (jornalista)
Pena Schmidt (Centro Cultural São Paulo)
Zé Mauro (Virada Cultural)
A relação dos debatedores está sujeita a alterações.
Informações para imprensa:
Samantha Costa
samantha.costa@jleiva.com.br
F. 11 3868-6315
Cel: 11 9365-3423

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly